quinta-feira, outubro 19, 2017

O Teatro resiste!

Foto: Arquivo/Mariângela Borba
“O teatro é uma arma muito eficiente. Por isso, é necessário lutar por ele”. (Augusto Boal)

Historicamente, a cultura nunca foi prioridade em nenhum governo brasileiro. Ao contrário, os poucos direitos conquistados até hoje foram frutos de intensas batalhas e articulações artísticas políticas. Nossa categoria não se cansa de tentar conquistar políticas culturais que garantam melhorias e que possibilitem o fazer da arte com dignidade no Brasil. Também lutamos pela liberdade e resistimos por meio de nosso ofício. Enfrentamos, nos últimos tempos, um verdadeiro RETROCESSO da Cultura no país, articulado por setores sorrateiros, reacionários e conservadores que decidiram se mobilizar para ditar o que é ou não ARTE e como ela deve ser feita. Esta ação viola completamente os direitos de Liberdade de Expressão Artística, assegurado pela Constituição Federal de 1988. A articulação conservadora e seus movimentos, estão em uma cruel campanha difamatória e descontextualizada contra a classe artística no país, com um único intuito: CRIMINALIZAR os/as trabalhadores/as da cultura do Brasil e provocar na sociedade o desconhecimento e alienação de sujeitos nesta sociedade. A liberdade de expressão é garantia constitucional pelo art. 5º da Constituição da República Federativa do Brasil, junto ao art. 215 “que compete o Estado a garantia de todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.” A Criminalização da arte e
de artistas só demonstra a fragilidade do sistema democrático e é mais um sintoma do fascismo, antes velado, e já conhecido na política brasileira, principalmente nos tempos da DITADURA MILITAR, no qual artistas eram procurados e submetidos a tortura. Já os torturadores e censores eram amparados por ABSURDAS justificativas legais. Trabalhadores e trabalhadoras das artes em todo país estão tendo seus trabalhos censurados e apreendidos pela polícia. Cada vez mais, a onda progressista dos/as artistas é atacada e desarticulada dando lugar a um obscuro futuro sem cor, sustentado por pilares de autoritarismo, numa sociedade cada vez menos inclusiva para as minorias – que são a grande maioria - onde todas as relações são pleiteadas por disputas de poder por siglas políticas. Por isso, faz-se necessária a livre manifestação do Colegiado Setorial de Teatro, posicionando-se contrariamente a qualquer tipo de CENSURA e garantindo nossa participação ativa contra os RETROCESSOS institucionalizados pelo atual presidente da República, seus aliados e qualquer outra organização e movimento que tente censurar, criminalizar ou ameaçar o fazer artístico e teatral. Brasil, outubro de 2017.

Representantes da Sociedade Civil
do Colegiado Setorial de Teatro do
Conselho Nacional de Políticas Culturais - CNPC/MinC

Festival No Ar Coquetel Molotov terá espaço voltado para tatuagem

Na foto: tatoo de Nando Zevê
O festival No Ar Coquetel Molotov, já conhecido por apresentar novos artistas e projetos que têm despontado na cena musical contemporânea, e por oferecer experiências diversas relacionadas a comportamento e novas tendências, terá mais uma inovação em 2017. A Convenção No Ar de Tatuagem, que acontece dentro do evento, no dia 21 de outubro, no Caxangá Golf Club.


Diferente da praxe de convenções de tatuagens, com caráter competitivo e categorias bem definidas, a Convenção No Ar de Tatuagem procura borrar as fronteiras entre arte e tatuagem e ampliar as possibilidades das técnicas, formas e suportes de criação dos tatuadores. Durante todo o dia, quem visitar o espaço poderá conferir uma exposição com os trabalhos de 11 artistas-tatuadores do Recife, além, claro, levar na pele alguns dos riscos disponíveis.


A curadoria e idealização da iniciativa foi do artista e tatuador pernambucano, Nando Zevê, que vem desenhando em sua trajetória a confluência entre diferentes referências artísticas e a tatuagem. Para a escolha dos tatuadores foi aberto um processo seletivo, em busca de artistas que desenvolvem trabalhos autorais. "Esses tatuadores não são da linha tradicional. Eu busquei perfis com linhas de pesquisa que fugissem do que está pré-definido na tatuagem", explica o artista. O resultado contempla tanto profissionais já consolidados no mercado, como artistas emergentes. Além do próprio Nando, participam da Convenção NoAr de Tatuagem: Ganja Pessoa, Isabelle Santos, Lucas Faustino, Magda Martins, Manoel Mavik, Marcos Duarte, Paulo Victor Skaz, Raone Ferreira, Oliveira Sang e Thales Costa.


De acordo com o curador, o propósito da exposição é experimentar possibilidades e conceitos nos desenhos. "Quero que os artistas mostrem o que eles de fato estão a fim de fazer, sem se basear no que o mercado pede. A gente fica muito amarrado nesse esquema de acompanhar uma tendência, mas a gente tem capacidade de criar a tendência", instiga Zevê.


Nando Zevê 

Provocar o universo das artes visuais é um exercício constante na história de Nando Zevê. Graduado em Artes Plásticas pela UFPE e tatuando desde 2006, Nando é um artista inconformado por excelência. Sempre em busca do novo, direcionou essa energia para a experimentação. Fez residências artísticas nos estúdios Lucky 13, na cidade de Toronto, no Canadá, WiseKid Tattoo and Gallery, em Amsterdã, na Holanda, e Tattoaria, em São Paulo.


Romper com as barreiras da tatuagem tradicional trouxe mais originalidade aos seus trabalhos na pele. Acompanhando o movimento internacional, passou a chamar seus projetos de autorais, campo que hoje já conta com uma cena em ascensão em Pernambuco. "Dessas viagens eu trago ideias e referências novas, de estúdios mais abertos, de trocas entre artistas em trânsito, é isso que estou querendo fazer aqui", diz Zevê.


O desejo de mexer com a cena artística dos tatuadores no estado resultou nas primeiras edições da Mostra de Sketchs - O que vem antes da dor, realizadas em 2012 e 2013, na galeria da extinta Casa do Cachorro Preto. "A ideia era apresentar ao público o processo criativo dos tatuadores, mas o mais importante dessas experiências foi conseguir trazer a tatuagem para um formato de exposição mais tradicional. Aqui em Recife ainda não tinha visto nada parecido", comenta.


Recentemente, interessado em incentivar o ensino e pesquisa sobre a tatuagem dentro da academia, Nando Zevê ministrou uma disciplina eletiva sobre Teoria e Prática da Tatuagem, ligada ao Departamento de Teoria da Arte da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A carência de estudos na área resultou numa grande procura. "Foram 15 vagas disponibilizadas. No primeiro dia de aula a sala devia ter umas 30 pessoas, muitos deles estavam tentando cursar a disciplina como ouvintes. No final das contas, 19 estudantes de Artes Visuais conseguiram se matricular", conta o artista.


Antes da vivência na UFPE, Nando Zevê já havia ministrado dois workshops: um em Fortaleza (2013), a convite do Acidum Project, coletivo de artistas urbanos, e o outro no Edifício Pernambuco, no Recife, em 2015. "Todos os cursos foram voltados para artistas. Eu sempre fiz questão de ensinar pra quem já tivesse uma poética", explica o tatuador, que atualmente orienta alguns aprendizes, como o ilustrador João Lin.


ZV Tattoo e Galeria - Desde 2011 a base de trabalho de Nando Zevê tem sido a Galeria Joana D'Arc, no Pina. Nesse meio tempo, em especial do final de 2016 pra cá, muita coisa mudou. Se antes o artista preferia um estúdio individual, a fim de personalizar o atendimento aos clientes, agora o estúdio é coletivo, se aproximando do universo do coworking. A ideia é fomentar uma cena de tatuagem autoral, estimular a troca de referências, técnicas e interseção de linguagens.


No dia 17 de outubro, o ZV Tattoo assume o seu papel de galeria, com a abertura da Mostra Combustão, de João Lin. "Já que mudamos para um espaço mais amplo, podemos adequar o estúdio para realizar cursos, exposições, rodas de diálogo e residências artísticas", fala Nando Zevê. O espaço procura agregar as variadas formas de manifestação da imagem e se configura como estúdio de tatuagem, galeria de arte, local de cursos e, principalmente, de experimentação.


A proposta é estimular a criatividade, por meio de trocas de experiências entre tatuadores locais, nacionais e internacionais. "Quem faz tatuagem deseja levar consigo uma obra de arte na pele. Antigamente existiam catálogos de tattoos e todo mundo repetia aquelas imagens. Com a evolução da tecnologia, máquinas mais precisas, qualidade das tintas e das agulhas, elevou o nível técnico da tatuagem e os tatuadores estão experimentando cada vez mais. A gente quer discutir onde é que essa nova tatuagem se encaixa. É só tatuagem? Ela começa a entrar pro universo das Artes Visuais? É híbrido?", questiona Zevê.


Além das vivências coletivas, quem integra o coworking tem a estrutura para tatuar e é oferecida a maior parte do material. "A gente trabalha num esquema de parceria. A proposta não é o lucro, mas transformar o espaço em autossustentável, a partir da colaboração de vários artistas", explica Nando. O formato ainda está em processo embrionário, mas a ideia é que os recursos gerados a partir do coworking sejam revertidas para o estúdio em forma de ações de formação e de divulgação, por exemplo.


Para integrar o coworking, o tatuador deve ter um trabalho autoral e experiência na área. Quem tiver interesse em integrar o ZV Tattoo e Galeria deve enviar uma carta de apresentação e um portfólio com 10 fotos de trabalhos realizados nos últimos três meses ou o link do Instagram para o e-mail agendamentozvtattoo@gmail.com.

Conheça os tatuadores que irão participar da Convenção No Ar de Tatuagem:


  1. Lucas Faustino | www.instagram.com/laemlusca
  2. Oliveira Sang | www.instagram.com/sangaeo
  3. Paulo Victor Skaz | www.instagram.com/skazxim

Começam as oficinas do 22º Festival de Dança do Recife

O 22º Festival de Dança do Recife já movimenta a cidade. Ontem, nos três expedientes do primeiro dia de programação vivencial, foram oferecidas oficinas de dança contemporânea e dança de salão, nas duas unidades do Compaz, no Alto de Santa Terezinha e no Cordeiro. A grade de oficinas do festival deste ano é extensa e bem variada, com atividades em várias partes da cidade até o próximo dia 27 de outubro. A programação artística será oferecida entres os dias 21 e 29, com mais de 14 espetáculos de grupos e bailarinos nacionais e locais.

Fotos: Divulgação
A oficina de estreia foi de Dança de Salão e começou às 9h, no Compaz Governador Eduardo Campos, no Alto de Santa Terezinha, para alegria das habituées do equipamento. “Vivo nesse espaço. Faço ginástica, biodança, até hip hop. Adorei essa oficina nova. Vou fazer todas que chegarem por aqui”, disse a animadíssima moradora do Alto de Santa Terezinha, a “pé de valsa” Tereza Bezerra, 61 anos. 
Com a mesma disposição, Ivanilda Santana, 56 anos, nem pensou duas vezes antes de incluir a oficina em sua extensa programação diária no Compaz. "Adoro me movimentar."
Caprichando na coreografia e no sorriso, Mariza de Araújo, 45 anos, estreou na programação do Festival e do Compaz de uma só vez. "Aprendi tanta coisa nessa oficina. Adorei. Moro no Alto, mas nunca tinha vindo no Compaz. Agora vou voltar sempre!"
Mesmo não sendo recifense, até o professor André Vitar Brandão, petrolinense da Cia Qualquer um de 2, que participará da programação artística do Festival, ficou com vontade de voltar no Compaz. "Esse equipamento é maravilhoso. Estou encantado. Nunca tinha visto nada igual no Brasil", disse o bailarino, satisfeito com o resultado da oficina. "O grupo tem esse compromisso de, sempre que possível, se envolver em ações formativas e vivências. Queremos mostrar que todo mundo sabe dançar. Todos temos a consciência do movimento em nosso corpo. Nosso trabalho é promover esse encontro de cada um com o outro e com o seu corpo."
As oficinas são gratuitas e seguem até o dia 27, nos teatros Luiz Mendonça, Hermilo Borba Filho, Paço do Frevo, Escola de Frevo do Recife e nos Compaz Governador Eduardo Campos e Escritor Ariano Suassuna.
Os interessados podem fazer sua inscrição pelo e-mail: servicosdedancafccr@gmail.com, informando o nome da oficina no título da mensagem e encaminhando anexado um breve currículo. As inscrições também poderão ser feitas presencialmente, a partir de amanhã (17), no Pátio de São Pedro, Casa 10 – térreo, Bairro de São José. Mais Informações pelo telefone: 3224-3257.
No palco - No dia 21, começa a mostra de espetáculos, com atrações locais, como Bacnaré, Cia do Frevo, Stúdio de Danças, Cia Amazing, Grupo Cultural ZOE, Andréa Carvalho e André Felipe, Lili Vidal e Kelson, Ballet Simone Monteiro, Cristian Douglas, Jeferson Andrade e Munique Munir, Valdeck Farias, Cia Carol Lemos D’ançarte, Ária Social, Cia Endança, Ballet Claudia São Bento, Cláudio Sobral, Roberto Cristiano, Cia PE-Nambuco de Dança PE e Ginga Bboys e Bgirls. Além de grupos nacionais , como os mineiros Igor Kisrcka e Cia Mário Nascimento, as paulistanas Diadema Cia de Dança e São Paulo Cia de Dança, além da Cia Giro, de Goiás, da paranaense Curitiba Cia de Dança, e da petrolinense Cia Qualquer Um de 2. Os espetáculos custarão R$ 10 e R$ 5 (meia). E os ingressos estarão à venda na bilheteria de cada teatro.

Reforma da Previdência e suas consequências indesejáveis é um dos temas de congresso realizado pela Universo

A proposta de Reforma da Previdência utiliza a média da idade mínima para a aposentadoria de países membros da Organização para o Desenvolvimento Econômico (OCDE) como o Japão, o Reino Unido e a Holanda, no caso 65 anos. Mas, desconsidera o fato de que a média da expectativa de vida desses países é bem superior à brasileira, aproximadamente, 80,6 anos contra 75 anos para o caso brasileiro (expectativa de vida ao nascer, dados de 2014). 
Para que o brasileiro tenha condições de usufruir, ao menos, do mesmo tempo de aposentadoria que a média das pessoas que vivem na OCDE, a idade mínima para aposentadoria não poderia exceder 60 anos. Pelos dados estatísticos atuais fornecidos pela própria Organização o brasileiro - caso a Reforma da Previdência seja aprovada -, usufruirá da condição de aposentado por apenas 10 anos, contra quase 16 anos na média das pessoas que vivem em países que compõem a OCDE. 
 De acordo com o Juiz Federal, Flávio Roberto Ferreira de Lima, há uma evidente disparidade entre essas duas realidades. "Outro problema evidente é o fato de no Regime Geral de Previdência Social (RGPS) muitos serão demitidos antes de atingirem a referida idade, sendo essa hipótese mais provável. Essa é a realidade, que a proposta da reforma parece desconsiderar", enfatiza. 
         
Afirmou, ainda, o magistrado que "toda a reforma está calcada, unicamente, na redução dos gastos previdenciários, ou seja, os ônus da reforma serão suportados, unicamente, pelos Segurados da Previdência’, comenta. Além disso, as mudanças propostas podem afetar, significativamente, a economia de diversos municípios brasileiros. Para se ter uma ideia do impacto, mais de 70% dos municípios os benefícios previdenciários geram renda superior ao Fundo de Participação dos Municípios. “A proposta de RP não contempla estudos sobre os impactos financeiros da Reforma sobre a economia dos municípios. O único estudo de impacto econômico é aquele feito é sobre a redução dos gastos previdenciários, o que, evidentemente, demonstra sua incompletude", conclui.

CONGRESSO - Nos próximos dias 19 e 20, o juiz federal Flávio Roberto Ferreira estará entre os palestrantes do I Congresso Interdisciplinar de Direito, Congrid, organizado pela Universidade Salgado de Oliveira. O evento será realizado no auditório da Justiça Federal, no bairro do Jiquiá, e terá como tema central “O avanço do acesso à justiça e aos direitos fundamentais de grupos vulneráveis e suas políticas de sustentabilidade”.
         O encontro, promovido pelos alunos do curso de Direito da instituição, terá em sua abertura a palestra do presidente do Tribunal Regional Federal – 5ª região, Dr. Manoel Erhardt e no encerramento a palestra da desembargadora e ex-presidente do TRF, Dra. Margarida Cantarelli. Durante todo o evento grandes nomes do mundo jurídico e social, como juíza federal, Dra. Wiviane Maria Oliveira; e a procuradora federal, Dra. Jailda Eulídia da Silva Pinto, passarão pela plenária.
         De acordo com o diretor geral da Universo, Ubirajara Tavares de Melo, o evento trará aos alunos a oportunidade de enriquecimento acadêmico. ”Queremos fazer um intercâmbio entre os palestrantes e alunos de Direito com temas da atualidade que ajudarão em suas carreiras profissionais”, destacou.
         Os interessados podem se inscrever na tesouraria da UNIVERSO ou pelo site: http://inscricoesextensao.asoec.com.br/inscricao/index . A inscrição custa R$ 60,00, com certificado de 20 horas/aula.

Serviço:
I Congresso Interdisciplinar de Direito – CONGRID
Local: auditório da Justiça Federal - Fórum Ministro Artur Marinho 
Endereço: Av. Recife, 6250 - Jiquiá - Recife – PE, CEP 50865-900
Data: 19 e 20 de outubro de 2017
Inscrição: R$ 60,00, com certificado de 20 horas/aula

terça-feira, outubro 17, 2017

Crise e Mudança

Foto: Divulgação
“Estamos em crise. Certamente essa é uma das frases mais ouvidas nos últimos tempos, será que é o fim da linha? Nos dias de hoje, as empresas impactadas pela inovação das informações e ideias precisam mudar. Daqui pra frente, é necessário pensar no futuro das organizações e modelos corporativos com foco na longevidade dos negócios. A tomada de decisão, de forma estratégica, frente aos diversos cenários, determinará o quão longe uma empresa chegará. Vivemos um mercado dinâmico e mutante, assim como os clientes e consumidores, e esse processo de mudança é natural e deve ser acompanhada pela empresa. E é na crise que desaparecem as empresas que não conseguem se adaptar às mudanças e permanecem as que conseguem. Neste contexto, surgem novas organizações com inovações que vem criando novos paradigmas de mercado. A sua empresa está preparada para atuar em meio a tantas disrupções?
A mudança - seja ela conceitual, de negócio ou de produto - é uma habilidade que toda organização precisa ter hoje. Em tempos de crise e competitividade, organizações criativas encontram de maneira sistêmica, soluções de forma cada vez mais intensa e eficaz conseguindo, assim, se manter no mercado. A crise pode ser encarada como uma porta para as mudanças, à medida que somos forçados a buscar soluções, rever posições, arriscar e inovar. O famoso “pensar fora da caixa” torna-se fundamental para aqueles que querem enxergar o que a maioria não ver e assim, transformar a crise em oportunidade. Para isso, agir no presente conectando a visão de futuro é uma prática que garante a identificação e utilização de oportunidades. Mantenha seu foco e a “cabeça fria”. Utilize novas práticas, novas soluções e estratégias, crie novas oportunidade, reinvente-se!


Karla Françoise Gonçalo
Especialista em Gestão de Negócios 
e Análise Comportamental

segunda-feira, outubro 09, 2017

Festival de Curtas de Pernambuco tem inscrições abertas até 13 de outubro

Foto: Divulgação
Até o próximo dia 13 de outubro, os interessados em participar da 19ª edição do FestCine – Festival de Curtas de Pernambuco, evento que acontece entre 4 e 9 de dezembro, no Cinema São Luiz, devem se inscrever exclusivamente pelo e-mail festcinepe@gmail.com, com o título de inscrição e nome do filme, junto à ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada. É preciso anexar ainda três fotos de divulgação com o título inscrição, além da documentação descrita no edital. A convocatória com todos os detalhes do projeto pode ser acessada na página da Secretaria de Cultura do Recife.
Na ficha de inscrição, deverá ser informado o link para acesso ao filme (via Vimeo, Youtube ou plataforma semelhante) e também a senha, quando for necessário. Cada proponente, pessoa física ou jurídica, poderá inscrever até três filmes por diretor/a, desde que em categorias diferentes (animação, ficção, documentário, videoclipe e experimental), e até dois filmes na mostra competitiva de Formação, desde que em categorias diferentes (animação, ficção e documentário).

O FestCine tem como objetivo proporcionar o desenvolvimento e o fomento da cultura pernambucana, mediante a promoção, o apoio, o incentivo, a preservação e a difusão das expressões artísticas e culturais, por meio do audiovisual.
Realizado desde 1999, este ano o festival vai premiar os melhores curtas das categorias competitivas da mostra geral (animação, documentário, experimental, ficção e videoclipe) e da mostra competitiva de formação, aberta a alunos de universidades, cursos e escolas de Pernambuco. O valor total da premiação é de R$ 58,5 mil para as duas categorias. Os três melhores filmes de cada categoria da competição geral e os melhores da mostra competitiva de formação receberão prêmios em dinheiro, em valores que variam entre R$ 2 mil e R$ 4,5 mil.
Além disso, será dado o Troféu Fernando Spencer para os vencedores de dez categorias: Direção, Fotografia, Montagem, Roteiro, Produção, Direção de arte, Trilha sonora, Som, Ator e Atriz.

A convocatória e o formulário de inscrição estão disponíveis no site: http://www2.recife.pe.gov.br/sites/default/files/convocatoria-festcine-2017-final.pdf.

Serviço
Inscrições para a 19ª edição do Festival de Curtas de Pernambuco (FestCine)
Quando: Até o dia 13 de outubro
Como: Pelo e-mail festcinepe@gmail.com, com o título de inscrição + nome do filme, e, junto à ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada, anexar três fotos de divulgação do com o título inscrição, além da documentação descrita no edital

O Velho Diário da Insônia aporta no Solar da Marquesa, em Olinda, durante o Outubro ou Nada

O espetáculo O Velho Diário da Insônia  estará no Solar da Marquesa, em Olinda, durante o Outubro ou Nada, no próximo sábado (14). Trata-se de uma tragicomédia costurada com poesias e canções. O monólogo tem texto, encenação e atuação do ator e jornalista Alessandro Vieira, que leva ao público histórias vividas em sua infância e adolescência,, em Goiás. As músicas são executadas ao vivo e acompanhadas pelo violão de Talles Ribeiro. No enredo, uma atmosfera de saudade e reflexão sobre o tempo  com a pergunta que não quer calar: o que tira o sono de quem já passou dos setenta?
 
Foto: Divulgação
A partir de fragmentos de lembranças contidas em um diário, a peça remonta uma noite de insônia de um homem à beira da loucura. Repleto de suspense e drama, o roteiro propõe reflexões sobre o tempo, o arrependimento e a saudade. “Esse espetáculo é uma homenagem que faço ao meu avô Sebastião. A ideia é compartilhar causos dos meus familiares, conselhos que já tive oportunidade de ouvir do meu avô, tios, e os vários ensinamentos que aprendi com eles”, conta Alessandro. “É uma colcha de retalhos com momentos únicos, que vão fazer o público sorrir e se emocionar, com certeza”.
Como o pano de fundo dO Velho Diário da Insônia, o abandono, a velhice e o tempo que escorrega por entre as mãos. “Você já dedicou um tempo para ouvir seus avós hoje? Prestou atenção no que eles tinham para dizer? E quando isso não for mais possível? Quando o silêncio calar a boca e silenciar os ouvidos?”, indaga o autor-personagem. 
Ficha técnica:
Encenação, texto e interpretação: Alessandro Vieira
Supervisão Cênica: Márcia Cruz
Participação especial: Talles Ribeiro
Desenho de luz: Fábio Calamy
Assessoria de imprensa: Cínthia Carvalho
Fotos: Mylena Freitas/ Richard Matias
Realização: Grupo Independente de Teatro Alternativo


O quê? MOSTRA DE TEATRO ALTERNATIVO OUTUBRO OU NADA
Quê? O Velho Diário da Insônia
Onde? Solar da Marquesa
Horário: 20h
Quando? 14 de outubro- Sábado
Quanto? R$20,00 inteira - R$10,00 meia